Meu vizinho Poe

Como qualquer pessoa normal que muda de vizinhança, passei os dois primeiros meses no prédio novo sem falar com praticamente ninguém, além dos protocolares “bons dias” de elevador. É um edifício silencioso e muito calmo, poucos entram, poucos saem, e o grupo de wathsapp dos moradores serve apenas para avisos de urgência relacionados à portaria…

Continue reading →

Writing about writing #3 – Texto aberto

Ontem publiquei aqui o terceiro capítulo do PLANO BAIXO, meu folhetim, minha série em capítulos cuja segunda temporada já está em negociação (heh). É uma ideia que tive lá por 2012: um roteiro de curta-metragem engavetado que nunca tive paciência de correr atrás para produzir, mostrar, vender ou inscrever em edital. Ultimamente tenho me dedicado…

Continue reading →

O parágrafo um: A Morte de Virgilio

“Azuladas, leves, movidas por uma branda, quase imperceptível brisa contrária, as ondas do Adriático haviam fluído ao encontro da armada imperial quando esta, à esquerda das baixas colinas da costa calabresa, que aos poucos se avizinhavam, dirigia-se ao porto de Brundísio, e neste momento em que a solidão do mar, ensolarada e todavia prenunciadora de…

Continue reading →

#TBT

Chafurdando num HD véio que encontrei por aqui achei esse diálogo, lá de 2012. Na época não mostrei a ninguém, mas reli, ri, e resolvi postar por aqui. * CHEFE GÓTICA Chefe Gótica: … e é por isso, Juliana, que seu contrato será interrompido agora. Passe no RH para assinar os papéis. Juliana: Oh, não!…

Continue reading →