Desafio número 1 para abrir mão do controle

Este é um desafio para você aprender, devagar, a abrir mão do controle. Para algumas pessoas isso é muito difícil, mas breves exercícios diários podem fazer que consigamos deixar de lado a necessidade de controlar tudo – essa necessidade que deixa a gente meio ansioso, que mexe com as nossas cabeças e nos deixa assim.

O exercício deve ser feito enquanto você estiver andando na rua, ou no parque. É melhor que não esteja com pressa. Se você estiver com pressa e mesmo assim conseguir fazer o exercício, parabéns, já é um avanço enooooorme – mas, se estiver com pressa e não conseguir fazer, tudo bem, não se aflija e não se cobre. É um passo muito largo. Melhor recomeçar outro dia, sem pressa desta vez. Porém, mesmo assim, é importante que você esteja indo a algum lugar, que tenha um objetivo, e não tenha saído de casa apenas para fazer o exercício.

O exercício consiste em entregar os seus passos a outra pessoa.

Sim, os seus passos.

A um desconhecido.

Continue lendo “Desafio número 1 para abrir mão do controle”

Como estar perdido

“A culpa é sua, Thiago. Se você não tivesse caído, a gente não tinha se perdido!”

“A culpa é do meu patinete!”

“Thiago, agora nós estamos perdidos… Não, não, não, eu não lembro de termos passado por aqui! E agora, Thiago?”

“Não sei!”

Os dois irmãos, um de uns 8 anos, outro de uns 6, chegaram com seus patinetes em volta da nossa base, lá na Usp, em uma manhã de sábado. Muito assustado, o mais velho não parava de gritar com o menor.

“Se você não tivesse caído, a gente ainda ia estar junto com a Bel! Thiago, o que a gente vai fazer agora? Eu não sei onde a gente está! Perdidos, perdidos! Nós estamos perdidos!”

“Calma, a gente vai achar eles…”

Continue lendo “Como estar perdido”