Igatu-Paranapiacaba

Horas de estrada depois e mais de caminhada chegamos a Igatu. Entre as montanhas a cidade é mais vazia do que parece ao longe, cada canto um ninho escrostado na montanha e suas paredes, subidas, fazem o silêncio das pedras. Casario. ​Era ainda começo mas parecia fim da tarde, e pensamos que era melhor nos mantermos unidos. Diminuímos a velocidade dos passos espontaneamente, em coro, para observar tudo e encontrar o que buscávamos no fim do labirinto.

Entre os blocos de pedra dos muros, olhos invisíveis perguntavam-se o que fazíamos ali àquela hora; talvez perguntassem quem éramos, se pudessem. Algo observava, observamos. Só era possível fazer silêncio, em silêncio permanecíamos: era imposto e voluntário, nossas mãos se esbarravam suavemente enquanto apertavam-se cada uma em si.

A neblina parecia suave ao longe, estávamos no meio dela e de seu peso.

Continue lendo “Igatu-Paranapiacaba”

Desvios de percurso – Verão

 

Em dezembro do ano passado havia decidido fazer uma lista mês a mês com as leituras para este ano de 2017. Organizei a lista pensando não apenas nos autores que queria ler, mas também em uma ordem lógica, em que a leitura de um romance favorecesse a leitura do livro de ensaios que viria em seguida, que dialogaria organicamente com um novo romance ou o diário do autor do mês.

Havia, na lista inicial – já vejam que a lista foi desobedecida –, grandes exemplares da literatura mundial, clássicos para reler prestando atenção nisto e anotando aquilo, ou para fazer uma leitura comparada com outro clássico.

Comecei janeiro animadíssima. Numa mão, Madame Bovary; na outra, A Orgia Perpétua, do Mario Vargas Llosa – livro em que o autor faz uma leitura e análise do clássico de Flaubert com um toque pessoal que nos aproxima e encanta logo na introdução, enquanto ele explica sua relação com Emma Bovary, seu primeiro contato e as diversas maneiras como se reaproximou da obra e de seus personagens emblemáticos.

Vargas Llosa é tão atraente em sua introdução que parei nestas duas páginas – e no primeiro capítulo – por duas semanas, lendo, relendo, grifando, copiando. Ao mesmo tempo, seguia com Madame Bovary achando muito enfadonha a apresentação de Charles, logo no início. Passei me arrastando e, ao mesmo tempo, fazendo um grande esforço para me manter atenta (nas páginas que gostaria de pular) e não perder nenhum traço de genialidade.

Dia sim, levava Flaubert na bolsa, dia não, era a vez de Vargas Llosa.

Mas janeiro passava, a leitura seguia lenta e fazia aquele calor insuportável que impede a gente de prestar atenção em uma mesma coisa por 15 minutos seguidos. Involuntariamente me afastei de Flaubert e Vargas Llosa, procurando algum sentido para esta vidinha, em que não era possível, para mim, contemplar um clássico da maneira como ele merece (sintam o drama).

Continue lendo “Desvios de percurso – Verão”