Desafio número 1 para abrir mão do controle

Este é um desafio para você aprender, devagar, a abrir mão do controle. Para algumas pessoas isso é muito difícil, mas breves exercícios diários podem fazer que consigamos deixar de lado a necessidade de controlar tudo – essa necessidade que deixa a gente meio ansioso, que mexe com as nossas cabeças e nos deixa assim.

O exercício deve ser feito enquanto você estiver andando na rua, ou no parque. É melhor que não esteja com pressa. Se você estiver com pressa e mesmo assim conseguir fazer o exercício, parabéns, já é um avanço enooooorme – mas, se estiver com pressa e não conseguir fazer, tudo bem, não se aflija e não se cobre. É um passo muito largo. Melhor recomeçar outro dia, sem pressa desta vez. Porém, mesmo assim, é importante que você esteja indo a algum lugar, que tenha um objetivo, e não tenha saído de casa apenas para fazer o exercício.

O exercício consiste em entregar os seus passos a outra pessoa.

Sim, os seus passos.

A um desconhecido.

Quando você está andando na rua, numa calçada estreita, e há alguém na sua frente indo devagar, mais devagar do que você, você tenta ultrapassar, não é? E se a calçada ou o corredor forem estreitos, impedindo a ultrapassagem, você bufa, beija santo e pigarreia, até o outro perceber a sua presença e abrir o caminho. Eu sei que é isso que você vai fazer.

Da próxima vez, faça diferente: tente não ultrapassar a pessoa. Reduza o seu passo.

Você pode deixar que a velocidade da pessoa seja a sua velocidade – por alguns instantes, só até a calçada se alargar ou até vocês chegarem na esquina.

Sem que a pessoa saiba, você a acompanha e caminha na velocidade dela. Sabendo, você abre mão do seu ritmo e experimenta outro. Quando o caminho separar vocês, agradeça a companhia.

Fiz isso algumas vezes na calçada do Hospital das Clínicas, que é bem estreita, cheia de gente e faz parte do meu caminho para o trabalho. Certo dia acompanhei um senhor de bengala.

Aproveite o ritmo mais lento e olhe um pouco em volta. Os desafios são três: deixar que outra pessoa, dite o seu ritmo; escolher uma pessoa desconhecida e não se irritar por ter de diminuir o passo.

Estou testando exercícios pequenos e simples para nos ajudar a abrir mão do controle e ser menos loucos písicos. Quando comprovar a eficácia deles, vou postar para vocês. Este já pode ser feito por aí, nas calçadas do seu bairro. Lembre-se: é importante que seja num lugar um pouco movimentado, senão você pode parecer meio psicopata.

Valendo!

2 pensamentos em “Desafio número 1 para abrir mão do controle”

  1. São nos detalhes mais simples que damos os passos na vida.
    Nossa pressa em alguns momentos são paradoxais ao nosso comodismo em outros.
    Felizmente, a maturidade traz esses pequenos brilhos que nos agigantam diante do nada que somos, pois percebemos que, sem o próximo, mais distantes ficamos de nós mesmos e de momentos assim: simplesmente nós mesmos admirando a paisagem estranha do cotidiano infindável de todo dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *