O parágrafo um: A Morte de Virgilio

“Azuladas, leves, movidas por uma branda, quase imperceptível brisa contrária, as ondas do Adriático haviam fluído ao encontro da armada imperial quando esta, à esquerda das baixas colinas da costa calabresa, que aos poucos se avizinhavam, dirigia-se ao porto de Brundísio, e neste momento em que a solidão do mar, ensolarada e todavia prenunciadora de…

Continue reading →

#TBT

Chafurdando num HD véio que encontrei por aqui achei esse diálogo, lá de 2012. Na época não mostrei a ninguém, mas reli, ri, e resolvi postar por aqui. * CHEFE GÓTICA Chefe Gótica: … e é por isso, Juliana, que seu contrato será interrompido agora. Passe no RH para assinar os papéis. Juliana: Oh, não!…

Continue reading →

The great case of Benjamin Gatsby

Recentemente, li “The curious case of Benjamin Button”, conto do F. Scott Fitzgerald publicado no livro Tales of the jazz era. O texto é uma beleza: o estranhamento dos leitores diante da ausência de questionamento dos personagens ao redor a respeito da situação de Benjamin traz uma aflição inexplicável misturando humor, melancolia e dúvida. Durante…

Continue reading →

O parágrafo um: Palmeiras selvagens

Alguns anos atrás, fiz um blog chamado “O parágrafo um”, em que eu copiava os primeiros parágrafos de romances. Comecei a fazer isso porque tive um professor na faculdade que nos repetia exaustivamente: “leiam o primeiro parágrafo. Releiam o primeiro parágrafo. Está tudo lá”. Desde então, sempre, ao começar um novo romance ou conto, leio…

Continue reading →

Tradução: O enterro prematuro

Edgar Allan Poe dispensa apresentações, mas sobre O enterro prematuro (The premature burial), conto de 1844, vale fazer algumas observações. Como o próprio título anuncia, o conto trata de enterros prematuros – da situação de pessoas serem, por engano, enterradas vivas. Logo nas primeiras linhas, depois de relembrar diversas tragédias coletivas que atraem a curiosidade…

Continue reading →

A flecha

Quando tive certeza de que você não voltaria, percebi que era a hora de retirar a flecha – anos atrás cravei uma flecha em meu tronco, na altura do umbigo, um pouco acima, do lado direito, e dei a ela o seu nome. Cravei-a exatamente no ponto que mais doía, tremia e formigava sempre que…

Continue reading →