Surpresa

Saindo do metrô Alto do Ipiranga, onze da manhã, um homem se aproxima. Ele segura uma rosa vermelha enrolada no celofane e duas mochilas que pareciam bem pesadas e cheias de coisas. Ele de aproxima de mim e pergunta: “O Museu do Ipiranga está longe?” Respondo que está. “Você vai andando até lá?” “Andando, de…

Continue reading →