Quando um livro brilha os olhinhos

untitledMuitas vezes, quando você conhece um corredor ou conta a alguém que corre, os livros sobre o assunto viram tema. Você já leu aquele Do que eu falo quando falo de corrida?, do Murakami? E o novo do Drauzio Varella? 50 maratonas em 50 dias?

Eu nunca tinha lido nenhum livro sobre corrida. Nada pessoal, simplesmente porque não. Até que Nascido para correr chegou em casa via correios e telégrafos com direito até a dedicatória. Amei e li a dedicatória umas trinta vezes, depois deixei o livro meio de canto para ler quando as milhares de tarefas dessem uma trégua.

Até que eu tinha uma viagem a Florianópolis de ônibus e me pareceu uma ótima ideia levar o bichinho para me fazer companhia no trajeto – já que, em Floripa, ia correr a Meia Internacional e precisava ficar bem inspirada. Risos.

Logo que o semi-leito deixou o terminal Tietê abri o livro e não consegui mais fechar. Tirando algumas pausas para breves sonecas, não desgrudei do Christopher McDougall até a viagem acabar: a escrita é envolvente, os capítulos curtos, os temas bem amarrados, com pequenas narrativas alternando com dados científicos dentro de uma narrativa maior, de um desejo maior.

O norte-americano Christopher McDougall, jornalista e autor do livro, inicia sua saga em busca das causas e tratamentos para suas dores nos pés durante as corridas. Durante esse percurso, toma conhecimento dos tarahumaras, uma tribo que vive isolada na região de fronteira dos Estados Unidos com o México e de um misterioso “seguidor” da tribo, conhecido como Caballo Blanco, um norte-americano que meio que largou tudo para viver em cavernas nos desfiladeiros e se dedicar a correr, correr e correr tentando descobrir a essência tarahumara, representada por seus corredores incansáveis, vigorosos, longevos e… de sandálias.

A história dos tarahumaras é contada enquanto vemos Caballo tentando realizar seu sonho de organizar uma ultramaratona com os corredores mais velozes dos Estados Unidos. No meio disso tudo está um jornalista que aborda assuntos bem polêmicos como indústria dos calçados de corrida, organização de eventos, indústria farmacêutica e limites do corpo. O cenário é a região de Barrancas del Cobre, Chihuaua, México, de natureza selvagem e com desfiladeiros mais profundos do que o Grand Canyon.

Muitas vezes quis descer do ônibus e sair correndo – principalmente quando houve um acidente na estrada e ficamos 4 horas absolutamente parados –, de tão inspiradora que é a leitura. Óbvio que não saí e, no fim, acabei deixando até de correr a Meia (como contei aqui) para ir me divertir.

Alguns momentos chuvosos da viagem foram preenchidos pela leitura, que, por sua vez, foi abrindo espaço para outras reflexões. Será que eu estava realmente me divertindo com os treinos? Será que eu não estava levando tudo a sério demais (planilha, alimentação etc. etc.)? Será que isso já não estava se tornando uma obsesión? Por fim, tentei lembrar de alguma vez que eu correra SORRINDO nas últimas semanas de treinos.

Não digo das vezes em que sorri no final do treino, por ter mantido um pace que queria atingir, e nem dos sorrisos acompanhados de água de coco e descanso na grama do Ibira. Estava tentando lembrar de sorrisos durante os percursos, de correr com prazer. Pois é, tentei, tentei e não lembrei – os treinos de tiro, na esteira, estavam torturantes; os progressivos idem, no Ibirapuera, cenário de sempre, e os longos… bem, os longos eram o meu momento de glória, em que ia doida destemida por um percurso escolhido no google maps, na rua mesmo, e passeava pela cidade.

Sim, os longos. Quase sem pensar no cronômetro, o ventinho da manhã no rosto, a cidade num silêncio esquisito e envolvente. O ar livre, a temperatura.

Quem tiver a curiosidade de ler o Nascido, ou quem já leu, vai entender por que falei do sorriso. São algumas lindas passagens, de arrepiar mesmo. Separei uma para dar o gostinho, e porque fiquei fã demais dessa mulher Jenn Shelton:

Naquele outono, a revista UltraRunning divulgou uma foto. A imagem mostrava Jenn terminando uma prova de 48 quilômetros em algum fim de mundo da Virgínia. Não havia nada demais em seu desempenho (ficou em terceiro lugar), em seu visual (short preto básico, top esportivo preto básico), nem no resultado final (a iluminação era reduzida, com recorte simples). Jenn não aparecia ultrapassando um concorrente nos últimos instantes da prova, nem correndo no alto de uma montanha com algum modelo de tênis Nike chamativo, nem rumando para a glória com cara de quem transpira determinação. Na foto, ela aparecia correndo – apenas correndo e sorrindo.

Depois de terminar a leitura, no ônibus da volta a São Paulo, depois de ter desencanado de uma corrida à qual me dediquei bastante, revi os objetivos daqui para a frente. O projeto 10 km monstros, por hora, foi deixado de lado… O projeto da vez é correr sorrindo.

Bora?

😀

Um pensamento em “Quando um livro brilha os olhinhos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *